Batismo

e

Crisma

 

O início de uma nova vida

 

Bispo Alexandre (Mileant)

 

_________________________________________________________________________

Conteúdo:   Introdução. O significado do batismo. O significado da crisma. O ritual do batismo e da crisma. 1 Parte. O ritual do catecúmeno. Parte 2. O ritual do batismo. Parte 3. O ritual da crisma. Parte 4. Orações do quadragésimo dia. Algumas observações sobre o batismo.

_________________________________________________________________________

 

 

Introdução

Nas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo, o princípio da salvação do ser humano, está no seu renascimento espiritual: "...Em verdade, em verdade te digo que quem não renascer da água e do Espírito Santo, não pode entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne, é carne, e o que nasceu do Espírito, é espírito" (João 3:5-6). Esse nascimento com a água e Espírito é efetivado no mistério do batismo.

No batismo o ser humano purifica-se das impurezas do pecado, liberta-se da escravidão das paixões e renasce para uma vida espiritual. O batismo é de tamanha força espiritual que se realiza apenas uma vez, apesar de que, após o batismo a vida do ser humano poderá não se corresponder a uma elevada vocação cristã. Sobre este ponto de vista o batismo pode se assemelhar a uma lamparina espiritual, acessa pelo Espírito Santo no coração do ser humano. A chama desta lamparina pode, ora aumentar, ora diminuir, mas nunca será totalmente extinguida. Nosso objetivo mais importante, é aumentar esta chama sagrada em uma brilhante labareda.

Neste artigo tentaremos revelar o significado e a força do mistério do batismo e sua ligação com o mistério da crisma, na esperança que, tendo um conhecimento mais profundo com estes santos mistérios, o leitor possa ser induzido a aproveitar-se da grande riqueza espiritual adquirida através do batismo.

 

 

O significado do batismo

O mistério do batismo está intimamente relacionado com a presença do dano pecaminoso na humanidade. O ser humano já chega ao mundo com a natureza atingida pela predição do pecado. Com o passar dos anos como se fosse uma planta daninha, o pecado cresce e vai se fortalecendo cada vez mais e mais, e lentamente vai escravizando a alma humana. Conseqüentemente, não apenas individualmente mas socialmente, a vida como um todo acaba sendo envenenada pelo pecado; e é dele, que provem toda a desgraça humana: crime, sofrimento, vários delitos, morte física e o mais importante, a morte espiritual.

Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus, veio à terra para aniquilar o pecado e dar oportunidade à humanidade de obter a eterna e feliz vida no Reino dos Céus. O renascimento espiritual no homem, se inicia na fé em Jesus Cristo, no verdadeiro desejo de ser libertado do jugo do pecado e levar uma vida de acordo com a vontade de Deus. Com esse renascimento, nosso Senhor Jesus Cristo ainda nos consentiu a ressurreição dos mortos, quando Ele diz: "Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem, viverão" (João 5:25). Porém, somente a fé e o desejo do ser humano não são suficientes. É preciso a força da graça, para que se realize o renascimento espiritual do indivíduo. Esta força da graça penetra a alma da pessoa, submergindo-a em água, durante o batismo.

Nosso Senhor Jesus Cristo instituiu o mistério do batismo, após a Sua ressurreição dos mortos, quando Ele apareceu aos Seus discípulos e disse: "Ide, pois, ensinai todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinando-as a observar todas as coisas que vos mandei..." (Mt 28:19-20). "O que crer e for batizado, será salvo; o que, porém, não crer, será condenado" (Mc 16:16).

Seguindo a ordem do Salvador, os apóstolos pregavam a fé em Jesus Cristo nos lugares aonde chegavam e batizavam todos aqueles, que se convertiam. O primeiro batismo em multidão, ocorreu no dia em que o Espírito Santo desceu sobre os apóstolos, quando após o sermão de Pedro, os ouvintes perguntaram o que deveriam fazer para serem salvos. O que o apóstolo replicou: "Fazei penitência e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão de vossos pecados; recebereis o dom do Espírito Santo" (At 2:38).

O significado do batismo é explicado ainda mais, pelo apóstolo Paulo em sua epístola aos romanos: "Vós não sabeis que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na Sua morte? Nós fomos, pois, sepultados com ele, a fim de morrer (para o pecado) pelo batismo, para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim nós vivamos uma vida nova" (Rom 6:3-4). Tendo morrido na cruz, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, carregou consigo todos os nossos pecados, e deste modo, purificando-nos. Sua morte na Cruz tem o poder de lavar todos os nossos pecados. Todos aqueles que são batizados, são imergidos na morte de Cristo e na força da purificação dos Seus sofrimentos na cruz. Esta força destrói completamente todo pecado, de maneira que nenhum traço fique remanescente. Isso pode ser comparado, a colocar um pedaço de minério em uma solução química, a qual dissolve todas as impurezas, deixando o ouro puro.

Quando alguém é purificado do pecado, ele se liberta de seu jugo e é livre para seguir a sua vida espiritual. Nas Sagradas Escrituras o nascimento espiritual é denominado de "primeira ressurreição," para diferenciar da segunda, a ressurreição física, que ocorrerá antes do final do mundo (cf.Apoc 20:5). A pessoa batizada torna-se um filho amado de Deus, sendo adotada por Ele como filho ou filha, pela graça de Cristo.

Isto não significa que o ser humano batizado, é livre de todas as tentações ou da luta espiritual. As lutas espirituais são inevitáveis, para toda pessoa que vive neste mundo de tentações. Quem não é batizado, não tem forças para lutar contra o pecado, e é escravizado por ele; ao passo que o batizado é liberado do pecado e recebe ajuda para a luta contra as tentações.

São Marcos o Asceta, elucida o mistério do batismo da seguinte maneira: "Tu te envolveste em Cristo pelo batismo e tens poder e armas para dominar pensamentos pecaminosos... O santo batismo nos liberta totalmente da escravidão do pecado... Se, após o batismo somos submetidos ao pecado, não é porque o batismo não tenha sido consumado, mas, é porque nós não nos esforçamos no cumprimento dos Mandamentos e vivemos para nossa própria satisfação e nosso próprio desejo. Se nos atarmos novamente aos desejos do demônio ou se permanecermos livres através da realização dos Mandamentos, é uma questão da nossa livre vontade... Quando, após o santo batismo, somos capazes de cumprir os Mandamentos mas não os fazemos, outra vez indesejavelmente nos tornamos escravos do pecado, até que supliquemos a Deus para eliminá-los de nós, através do arrependimento" (Filocalia, tomo1).

Todo cristão deve compreender, que superando as tentações, ele progride moralmente, ao mesmo tempo em que, está crescendo e se tornando mais forte espiritualmente. A chave para isto, é o esforço pessoal. Se não existisse a luta, não existiriam pessoas justas. Na luta contra as tentações o cristão não está só, mas, ele recebe uma grande ajuda do Espírito Santo através da crisma, a qual é normalmente realizada imediatamente após o batismo.

 

 

O significado da crisma

Somente com a morte e a ressurreição de Cristo, terminada em Pentecostes a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos o batismo do cristão atinge a sua realização na crisma. No batismo o ser humano é enterrado e ressuscitado com Cristo, na crisma lhe é dada a graça do Espírito Santo. Desta maneira pode-se ver, como o milagre do Pentecostes é continuamente renovado na Igreja através desses mistérios.

O significado da crisma se encontra nas mais importantes e fundamentais palavras do mistério, as quais constituem a declaração conclusiva: "O selo da dádiva do Espírito Santo." Essas palavras estão: a) como ato decisivo, confirmando a entrada da pessoa batizada na Igreja, b) como fonte das forças sagradas, dadas àquele que foi batizado para o seu fortalecimento e crescimento na vida espiritual.

São Cipriano (séc. III) escreve: "Pessoas batizadas na igreja, são marcadas com o selo justo do Senhor, como outrora os cristãos samaritanos receberam o Espírito Santo dos apóstolos Pedro e João, através da imposição das mãos e oração... O que lhes estava faltando foi realizado pelos apóstolos... (isto é, o Espírito Santo, pois eles haviam sido batizados somente em nome de Cristo). Isto também acontece conosco... nós nos tornamos completos, com o selo do Senhor" (Cf. At 8:14-17). São Cipriano confirma que os antigos, em se falando do nascimento através da água e do Espírito, entendiam que, o nascimento através da água se referia ao batismo físico, enquanto que a crisma era o nascimento através do Espírito. Santo Efrem o sírio (séc. IV) escreve: "O selo do Espírito Santo, sela todas as entradas em sua alma, enquanto que o selo da crisma, sela todos os seus membros."

No tempo dos apóstolos as dádivas do Espírito Santo eram outorgadas através da imposição das mãos. Podemos ler sobre isto nos Atos dos Apóstolos, quando o apóstolo Paulo encontrou alguns discípulos em Éfeso, que tinham recebido somente o batismo de João. Ele lhes impôs as mãos e desceu sobre eles o Espírito Santo: "Ora os apóstolos que estavam em Jerusalém, tendo ouvido dizer que a Samaria tinha recebido a palavra de Deus, mandaram-lhes lá Pedro e João, os quais, tendo chegado, fizeram oração por eles, a fim de receberem o Espírito Santo; porque ele ainda não tinha descido sobre nenhum deles, mas somente tinham sido batizados em nome do Senhor Jesus. Então lhes impunham as mãos e recebiam o Espírito Santo" (At 8:14-17; 19:2-6).

Como foi que a abençoada imposição das mãos, foi substituída pela unção com mirra? É muito provável que, pela impossibilidade dos apóstolos não poderem visitar pessoalmente, a todos os novos batizados convertidos e de não poderem impor suas mãos sobre eles, substituíram esta prática pela unção com a mirra, a qual era abençoada por eles e distribuída aos representantes de muitas igrejas; assim como são lembradas pelo apóstolo Paulo: "Ora o que nos confirma em Cristo convosco e que nos ungiu, é Deus, o qual também nos imprimiu o seu selo e deu em nossos corações o penhor do Espírito" (2Cor 1:21-22). As palavras essenciais do Mistério, "o selo do dom do Espírito Santo," tem desta maneira uma base nessas palavras dos apóstolos.

Além disso São Paulo escreve: "Não entristeçais o Espírito Santo de Deus, pelo Qual fostes marcados com um selo para o dia da redenção" (Ef 4:30). Nas Sagradas Escrituras, o "dia da redenção" se refere ao batismo, enquanto que "existência selada" pelo Espírito Santo, significa o selo do Espírito Santo, que se seguiu imediatamente após o batismo.

O óleo de mirra e não outra substancia, é usado no mistério da crisma, porque mesmo no Velho Testamento o óleo era usado para dotar pessoas com dons espirituais particulares (Êx 28:41; 1Sam 16:13; 1Rs 1:39). O renomado escritor Tertulião do terceiro século dizia: "Após a saída da pia batismal, nos untávamos com um óleo abençoado, assim como os antigos eram untados com o óleo do chifre, para o sacerdócio".

A palavra "cristão" foi sempre intimamente associada pelos Santos Padres da Igreja com a palavra "crisma." Cristão significa Ungido. São Cirilo de Jerusalém escreve: "Tendo se tornado um adepto de Cristo, vocês são merecedores de serem chamados cristãos, isto é, um dos ungidos, assim como Deus disse: "Não toqueis os Meus ungidos..." (Sl 104:15).

Em todos estes trechos dos apóstolos Paulo e João, o termo unção indica que o cristão é dotado com dons do Espírito Santo, os quais tradicionalmente, desde os tempos do Antigo Testamento, eram transmitidos aos escolhidos através da unção com o óleo santo. Na epístola do apóstolo João lemos: "Porém vós recebestes a unção do Santo e sabeis todas as coisas... permaneça em vós a unção que recebestes Dele. Não tendes necessidade que ninguém vos ensine; mas porque a sua unção vos ensina todas as coisas, e ela é verídica e não mentirosa, permanecei Nele, segundo ela vos ensinou" (1João 2:20, 27).

As narrativas dos Atos dos Apóstolos confirmam que, além do recebimento dos dons espirituais do Espírito Santo, a imposição de mãos ou a crisma depois do batismo servem para confirmar a outorgação do batismo e selar a união de todos os batizados com a Igreja. Este é o porquê desses atos terem sido realizados pelos próprios apóstolos e subseqüentemente por seus sucessores, isto é, os bispos. Enquanto que uma pessoa nasce através do batismo para uma vida espiritual, a crisma a torna um participante da graça na vida da Igreja.

 

 

O ritual do batismo e da crisma

 

1 Parte. O ritual do catecúmeno

A primeira parte preparatória do mistério do batismo é realizada na entrada da igreja. Nos tempos antigos as pessoas que se preparavam para o batismo eram chamadas de catecúmenos. Este período preparatório durava às vezes muitos anos, durante os quais os catecúmenos estudavam a Fé Cristã e os mandamentos de Deus. A eles era permitido somente assistir os cultos de pé na entrada da igreja e tinham que deixá-la após a exclamação do diácono: "Saiam todos os catecúmenos." Nesta primeira parte do batismo o sacerdote lê as orações de exorcismo, onde ele pede a Deus, para livrar o catecúmeno de todas as forças malignas e então solenemente o catecúmeno renuncia a satanás, confessa a sua fé em Jesus Cristo e lê o Credo. Depois o sacerdote sopra suavemente três vezes em seu rosto, faz o Sinal da Cruz sobre seu peito e coloca sua mão sobre sua cabeça lendo as seguintes orações:

Um dos padrinhos segura a criança com a cabeça no braço direito. O sacerdote coloca-se diante deles, paramentado com batina e estola, e faz sobre a criança o Sinal da Cruz três vezes, dizendo a cada vez:

 

Oração para o catecúmeno.

 

Sacerdote: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Coro: Amém.

Diácono: Oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

 

O sacerdote coloca a mão direita sobre a cabeça da criança e ora:

 

Sacerdote: Senhor, Deus da verdade, em Teu nome e em nome de Teu Filho Unigênito e de Teu Espírito Santo, coloco minha mão sobre o(a) Teu (Tua) servo(a), (nome), que se achou digno(a) de dirigir-se ao Teu Santo Nome e procurar refúgio debaixo do abrigo de Tuas asas. Afasta dele(a) seus erros antigos e enche-o(a) de fé, esperança e amor por Ti, para que ele(a) saiba que Tu és o único e verdadeiro Deus, com Teu Filho Unigênito, nosso Senhor Jesus Cristo e Teu Espírito Santo.

Permita-o(a) cumprir todos os Teus mandamentos e satisfazer todas as coisas que são do Teu agrado, porque o homem que as pratica encontrará vida nelas. Inscreve-o(a) no Teu Livro da Vida e une-o(a) ao rebanho da Tua herança, para que possa nele(a) ser glorificado o Teu Santo Nome, juntamente com Teu Amado Filho, nosso Senhor Jesus Cristo e Teu Vivificante Espírito.

Deixa os Teus olhos contemplá-lo(la) sempre com misericórdia e que os Teus ouvidos estejam atentos à voz de sua súplica. Faze-o(a) alegrar-se nas obras de suas mãos, bem como em toda a sua descendência, para que ele(a) possa prestar louvor e cantar a Ti, adorando e glorificando sempre, Teu grande e altíssimo Nome, em todos os dias de sua vida.

Porque a Ti louvam todas as Forças Celestes e a Ti é dada toda a glória, do Pai, do Filho e do Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

 

Primeira oração do exorcismo.

 

Sacerdote: Oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Sacerdote: Senhor dos Exércitos e Deus de Israel, que curas todas as enfermidades e todas as fraquezas, volta o Teu olhar para este(a) Teu(Tua) servo(a), prova-o(a), examina-o(a) e afasta dele(a) toda ação diabólica. Intima os espíritos impuros e expulsa-os; purifica a obra de Tuas mãos por Tua ação eficaz e abate satanás sob seus pés, concedendo-lhe a vitória sobre os espíritos malignos, a fim de que, amparado(a) pela Tua misericórdia, seja digno(a) de Teus mistérios celestes e eternos e Te glorifique, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

 

Quarta oração do exorcismo.

 

Sacerdote: Oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Sacerdote: Senhor Onipotente, Ser Eterno, que criaste o homem a Tua semelhança, e deste a ele o poder da vida eterna e tendo ele caído no pecado, não o abandonaste, mas concedeste a salvação ao mundo através da encarnação de Teu Cristo.

Tu, pois, resgata esta Tua criatura da escravidão do inimigo, recebendo-a no Teu Reino Celeste. Ilumina os olhos do seu coração, para que nela resplandeça a luz do Teu Evangelho; une a ela um anjo de luz, que a livrará de todas as ciladas do adversário, do encontro com o mal, das tentações diárias e dos maus pensamentos.

Afasta dela todo espírito mau e impuro, escondido e oculto em seu coração, (estas palavras são repetidas três vezes enquanto que o sacerdote sopra sobre o catecúmeno)

 

Padrinhos ou catecúmeno: Amém. (três vezes)

 

Sacerdote: (continuação) o espírito do engano, da maldade, da idolatria e de toda cobiça; da mentira e de toda impureza causada através das provocações do demônio. Torna-a uma ovelha racional do santo rebanho de Teu Cristo, um membro honrado de Tua Igreja, uma filha da luz e herdeira de Teu Reino, para que, tendo vivido segundo os Teus mandamentos e tendo preservado o selo inviolável e conservado a sua túnica imaculada, ela possa receber a bem-aventurança dos Santos em Teu Reino.

Através da graça, misericórdia e amor pela humanidade de Teu Filho Unigênito, com o qual Tu és bendito juntamente com o Teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

 

Renúncia a satanás.

 

Os padrinhos segurando o catecúmeno com o rosto virado para o lado do ocidente e com as costas viradas para o sacerdote, lhes respondem as seguintes perguntas:

 

Sacerdote: Renuncias a satanás, a todas as suas obras, a todos os seus anjos, a todo o seu culto e a todo o seu orgulho?

Padrinhos ou catecúmeno: Sim, eu o renuncio. (três vezes)

Sacerdote: Renunciaste a satanás?

Padrinhos ou catecúmeno: Sim, eu o renunciei. (três vezes)

Sacerdote: Sopra e cospe nele.

 

 

Adesão a Cristo.

 

Os padrinhos e o catecúmeno cospem simbolicamente para o ocidente, voltam as costas para o oriente e ficam de frente para o sacerdote.

 

Sacerdote: Aderes a Cristo? (três vezes)

Padrinhos ou catecúmeno: Sim, adiro a Cristo.

Sacerdote: Aderiste a Cristo?

Padrinhos ou catecúmeno: Sim, aderi a Cristo. (três vezes)

Sacerdote: Crês Nele?

Padrinhos ou catecúmeno: Creio Nele como Rei e Deus.

 

Os padrinhos ou o catecúmeno professam a fé ortodoxa, recitando o Credo:

 

Creio em um só Deus, Pai Onipotente, criador do céu e da terra e de todas as coisas visíveis e invisíveis. E em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos, Luz de Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado e não feito, consubstancial ao Pai, por Quem foram feitas todas as coisas. O Qual por causa de nós homens e por causa de nossa salvação desceu dos céus e se encarnou pelo Espírito Santo e da Virgem Maria e se fez homem. E foi crucificado por nossa causa, sob o poder de Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. E subiu aos céus e está sentado à direita do Pai e novamente virá com glória para julgar os vivos e os mortos, e cujo reino não terá fim. E no Espírito Santo, Senhor Vivificante, que do Pai procede e que é juntamente com o Pai e o Filho adorado e glorificado, e que falou pelos profetas. E na Igreja Una, Santa, Universal e Apostólica. Confesso um só batismo para a remissão dos pecados. Espero a ressurreição dos mortos e a vida do século futuro. Amém.

 

Sacerdote: Aderiste a Cristo?

Padrinhos ou catecúmeno: Aderi. (três vezes)

Sacerdote: Adora-o!

Padrinhos ou catecúmeno: Adoro ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, Trindade Consubstancial e Indivisível.

Sacerdote: Bendito seja Deus, o Qual deseja que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

Diácono: Oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Sacerdote: Senhor Onipotente, Deus nosso, chama este(a) Teu(Tua) servo(a) (nome) para a Tua Santa Luz e torna-o(a) digno(a) da grande graça de Teu Santo Batismo. Despoja-o(a) do homem velho e regenera-o(a) para a vida eterna, enche-o(a) da força do Teu Espírito Santo para a união com Teu Cristo, para que não seja mais filho(a) da carne, mas filho(a) de Teu Reino.

Pela benevolência e pela graça de Teu Filho Unigênito, com o qual és bendito, juntamente com Teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

 

Parte 2. O ritual do batismo

O sacerdote conduz os padrinhos com o catecúmeno até o Batistério(?) ou ao lugar onde o batismo é realizado. Aos padrinhos são dadas velas acesas e o sacerdote incensa ao redor da pia batismal. Ao terminar de incensar o sacerdote ora:

 

Ó Senhor, batizando-Te no rio Jordão, manifestou-se a adoração da Trindade. Porém, a voz do Pai testemunhou, chamando-Te Filho Amado e o Espírito como pomba confirmou a exatidão da palavra ó Cristo Deus, que vieste e iluminaste o mundo, glória a Ti.

 

Diácono: Abençoa, Senhor.

Sacerdote: Bendito seja o Reino do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

 

Litania.

 

Diácono: Em paz, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que Ele nos conceda a Paz Celeste e a salvação de nossas almas, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que reine a paz no universo, pela prosperidade das Santas Igrejas de Deus e pela união de todos, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Por esta Santa Igreja e por todos os que nela entram com fé, devoção e temor a Deus, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Pelo episcopado ortodoxo da Igreja Russa e pelo nosso revmo. Senhor Metropolita Vitaly, primaz da Igreja Russa no Exílio, pelo revmo. Arcebispo Laurus de Siracusa e Ssma. Trindade, pelo nosso reverendo Senhor Bispo Alexandre, pelo venerável presbitério e diaconato em Cristo e por todo o clero e o povo, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Pela sofredora nação russa e seu povo ortodoxo, tanto na terra natal como na diáspora e pela sua salvação, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Por este país, por seus governantes e forças armadas, e por todos os países cristãos, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Pela santificação desta água, com o poder, a eficácia e o derramamento do Espírito Santo, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que lhe seja dada a graça da redenção e a bênção do Jordão, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que haja nesta água a ação purificadora da Santíssima Trindade, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que sejamos iluminados com a luz do conhecimento e da piedade, pela descida do Espírito Santo, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que esta água se torne uma força contra toda cilada dos inimigos visíveis e invisíveis, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que aquele(a) que for batizado(a), se torne digno(a) do Reino incorruptível, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Por aquele(a) que agora se aproxima do santo batismo e por sua salvação, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que se torne filho(a) da Luz e herdeiro(a) dos bens eternos, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que ele(a) seja um membro participante da morte e da ressureição de Cristo nosso Deus, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que lhe sejam guardadas a veste batismal e o selo do Espírito, puros e imaculados, até o temível dia do julgamento de Cristo nosso Deus, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que esta água lhe seja banho de regeneração, remissão dos pecados e veste contra a insubordinação, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que o Senhor Deus ouça a voz de nossa súplica, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Para que sejamos livres de toda aflição, ira e necessidade, oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Protege-nos, salva-nos, tem misericórdia de nós e guarda-nos, ó Deus, pela Tua graça.

Coro: Senhor, tem piedade.

Diácono: Comemorando a nossa Santíssima, Puríssima, Bem Aventurada e Gloriosa Senhora Mãe de Deus e Sempre Virgem Maria com todos os Santos, encomendemo-nos mutuamente uns aos outros e toda a nossa vida a Cristo Deus.

Coro: A Ti, Senhor!

 

Enquanto o diácono canta a Litania, o sacerdote reza em particular:

 

Deus clemente e misericordioso, Tu que sondas os corações e o íntimo de cada um e conheces os segredos dos homens, nada pode ocultar-se diante de Ti e tudo é patente e claro aos Teus olhos.

Tu que conheces meu interior não me desprezes, nem afastes Teu rosto de mim e não olhes os meus pecados; Tu que perdoas os homens quando eles se arrependem, lava meu corpo e purifica a minha alma. Santifica-me com Teu poder perfeito e invisível e com Tua destra espiritual, a fim de que não seja eu mesmo condenado como escravo do pecado, após haver pregado a outros a liberdade.

Senhor bondoso e misericordioso, que eu não seja humilhado e confundido. Envia-me forças das alturas para administrar este grande Mistério Celestial. Reproduz a imagem de Cristo naquele(a) que vai renascer por meio de minha indignidade; edifica-o(a) sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas e não o(a) destruas jamais; planta-o(a) como uma planta verdadeira em Tua Santa Igreja e não o(a) desarraígues, a fim de que crescendo em piedade nele(a) seja glorificado Teu Santíssimo Nome, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém.

 

 

Oração para a benção da água.

 

Sacerdote: Grande és Tu, ó Senhor, maravilhosas são as Tuas obras e nenhuma palavra corresponde ao louvor das Tuas maravilhas. (três vezes)

Tu és o Criador do universo, que surgiu pela Tua vontade do nada para a existência. Por Teu poder mantens a criação e por Tua providência governas o mundo. De quatro elementos coordenaste a criação e com quatro estações coroaste o ciclo do ano.

Perante Ti tremem todas as potências angélicas. A Ti louva o sol, glorifica a lua, submetem-se as estrelas; obedece a luz, tremem os abismos e servem as fontes. Tu estendeste o céu como um pavilhão, firmaste a terra sobre as águas, cercaste o mar com areia e espalhaste o ar para a respiração. Os poderes angélicos Te servem, os coros dos Arcanjos adoram-Te, os muitos-olhares dos Querubins e os seis-alados Serafins estando em círculo, voando, cobrem-se de medo de Tua glória inacessível.

Porque Tu és um Deus inexprimível e eterno e Tu vieste a terra tomando a forma de servo e tornando-Te semelhante aos homens. Senhor Onipotente, pela grandeza da Tua misericórdia, não suportando ver o gênero humano subjugado pelo demônio, vieste e nos salvaste. Nós confessamos a Tua graça, proclamamos a Tua misericórdia e não ocultamos as Tuas afáveis ações.

Tu libertaste as gerações da natureza mortal e por Teu nascimento santificaste o seio da Virgem. Toda a criação louvou a Ti quando Te manifestaste, porque Tu nosso Deus, Te revelaste sobre a terra e permaneceste entre os homens. Tu santificaste as águas do Jordão enviando do Céu sobre elas o Teu Santíssimo Espírito e esmagaste as cabeças dos dragões que nelas estavam escondidos.

 

Pois Tu ó Rei, que amaste a humanidade, vem agora e santifica esta água pela descida do Teu Espírito Santo. (três vezes)

 

Concede a ela a graça da redenção e a bênção do Jordão. Faze-a fonte da insubordinação e o dom da santificação para a remissão dos pecados, e que ela seja o remédio das enfermidades e extermínio final dos demônios, tornando-a inacessível aos poderes malígnos e enchendo-a de força angelical. Que dela fujam os sedutores da Tua criação, porque Ó Senhor, nós temos invocado por Teu admirável e glorioso Nome temido por Teus adversários.

 

O sacerdote abençoa a água com os dedos da mão direita, fazendo o Sinal da Cruz sobre ela, dizendo:

 

Que todos os poderes adversos sejam aniquilados sob o Sinal da Tua Cruz. (três vezes)

 

Rogamos a Ti, ó Deus, que se retirem para longe de nós todos os maus espíritos invisíveis espalhados no ar e que não se dissimule nesta água nenhum demônio tenebroso. Imploramos-Te, Senhor, que não desça com aquele(a) que ora vai ser batizado(a) nenhum espírito malígno que corrompe os pensamentos e obscurece o entendimento; porém, Senhor Soberano, faz desta água, água de redenção, água de santificação para a purificação do corpo e da alma, para a libertação dos grilhões, remissão dos pecados, iluminação da alma, banho de regeneração, renovação do espírito, graça da adoção, veste da insubordinação e fonte da vida. Porque Tu disseste, ó Senhor: "Lavai-vos e purificai-vos, tirai a malícia de vossas almas." Tu outorgaste a nós, do alto, um novo nascimento através da água e do Espírito.

Manifesta-Te Senhor nesta água e faze com que aquele(a) que nela vai ser batizado(a) se transforme, despojando-se do homem antigo que se corrompe pelos desejos da carne e revestindo-se do homem novo, o qual é renovado segundo a imagem do seu Criador; que ele(a) seja sepultado(a) a exemplo de Tua morte, e que pelo batismo ele(a) seja também participante da Tua Ressurreição e tendo preservado a dádiva do Teu Espírito Santo e aumentado a sua graça interior, possa ele(a) receber a recompensa da sua elevada vocação e seja ele(a) contado(a) com os primogênitos inscritos no céu, em Ti nosso Deus e Senhor Jesus Cristo.

Porque a Ti pertence toda glória, honra e adoração, juntamente com Teu Pai Eterno e Teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

Enquanto despem a criança o padrinho aproxima-se da pia batismal e recebe em sua mão o viso com óleo que o sacerdote abençoa, dizendo:

 

Diácono: Roguemos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Sacerdote: Senhor Onipotente, Deus de nossos pais, o Qual enviaste aos que estavam na arca de Noé uma pomba, tendo no seu bico um ramo de oliveira símbolo da reconciliação e da salvação do dilúvio, prefigurando o mistério da graça e dando o fruto da oliveira para a administração de Teus Santos Sacramentos, e que por ele tornaste cheios do Espírito Santo aqueles que estavam sob a Lei e agora Tu tornas perfeitos os que estão na graça.

Tu Senhor, abençoa também este óleo pelo poder, ação e descida do Teu Espírito Santo, a fim de que se torne unção de insubordinação, arma de justiça, renovação da alma e do corpo,

Conjuração: contra toda ação diabólica, libertação de todos os males para todos os que são ungidos e participam dele com fé, para a Tua glória do Teu Filho Unigênito e do Teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

(A oração para a benção do óleo pode ser encontrada no livro de ritual)

 

 

A unção com óleo.

 

O sacerdote derrama três vezes um pouco de óleo sobre a água em forma de cruz dizendo:

 

Sacerdote: Estejamos atentos! (três vezes)

Coro: Aleluia! Aleluia! Aleluia! (três vezes)

 

Os padrinhos aproximam-se com a criança nos braços envolta em toalha, com a cabeça sobre o braço direito. O sacerdote pega um pouco de óleo e fazendo o Sinal da Cruz ora:

 

Sacerdote: Bendito seja Deus, que ilumina e santifica todo homem que vem a este mundo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém. (unge a testa, o peito e os ombros)

 

Sacerdote: O(a) servo(a) de Deus, (nome), é ungido com o óleo da alegria, em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

No peito e nas costas: Para a cura da alma e do corpo.

Nas orelhas: Para a audição da fé.

Nas mãos: Tuas mãos me fizeram e me formaram.

Nos pés: Que ele(a) possa seguir o caminho de Teus Mandamentos.

 

Esta unção com óleo indica a cura das enfermidades da alma do catecúmeno.

 

A seguir o sacerdote segura a criança de frente para o oriente e mergulha-a três vezes na pia batismal dizendo:

 

O servo(a) de Deus, (nome), é batizado(a)

em Nome do Pai, Amém;

e do filho, Amém;

e do Espírito Santo, Amém.

 

 

Oração para a vestimenta batismal branca.

 

O sacerdote pega a vestimenta batismal branca simbolizando a pureza da alma e veste-a no recém-batizado dizendo:

 

Sacerdote: O(a) servo(a) de Deus, (nome), é vestido(a) com a vestimenta da justiça; em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

 

Enquanto vestem a criança, canta-se:

 

Coro (tropário 8 tom): Concede-me uma veste luminosa, ó Cristo nosso Deus Misericordioso, Tu que Te vestes de luz como de um manto.

 

Salmo 31 (Felicidade daquele que obteve o perdão dos pecados).

Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades foram perdoadas, e cujos pecados são apagados. Bem-aventurado o homem, a quem o Senhor não argüiu de pecado, e cujo espírito é isento de fraude. Porque calei, meus ossos envelheceram, enquanto eu clamava todo o dia. Porque a tua mão tornou-se pesada sobre mim de dia e de noite; eu revolvia-me na minha dor, enquanto se me cravava a espinha. Eu te manifestei o meu pecado, e não ocultei a minha injustiça. Disse: Confessarei ao Senhor a minha injustiça; e tu perdoaste a malícia do meu pecado. Por isso orará a ti todo o santo no tempo oportuno. E, na inundação das muitas águas, estas não se aproximarão dele. Tu és o meu refúgio na tribulação que me cercou, ó alegria minha, livra-me dos que me cercam. Inteligência te darei e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; fixarei sobre ti os meus olhos. Não queirais ser como o cavalo e o mulo, que não têm entendimento. Com o cabresto e com o freio sujeita (ó Senhor) as suas queixadas, quando não quiserem aproximar-se de ti. Muitas dores esperam o pecador, mas o que espera no Senhor será cercado de misericórdia. Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos, e gloriai-vos todos os que sois de coração reto.

 

 

Parte 3. O ritual da crisma

 

Oração antes da crisma.

 

Diácono: Oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Sacerdote: Bendito és Tu, ó Senhor Deus Onipotente, fonte do bem e sol da justiça, que fizeste resplandecer sobre aqueles que estavam nas trevas a luz da salvação, através da manifestação de Teu Filho Unigênito e nosso Deus, e apesar de sermos indignos Tu nos deste a abençoada purificação através da água do batismo e a divina santificação da vivificante crisma, sendo também agora afavelmente renovado(a) este(a) Teu(Tua) servo(a), ao ser recentemente iluminado(a) pela água e pelo Espírito, concedendo-lhe o perdão dos pecados voluntários e involuntários.

Tu, o mesmo Soberano e Rei Misericordioso de todo o universo, concede a ele(a) também o selo da dádiva de Teu Santo, Onipotente e Adorável Espírito e a participação no Santo Corpo e no Precioso Sangue de Teu Cristo; preserva-o(a) na Tua santidade; confirma-o(a) na fé ortodoxa; livra-o(a) do maligno e de suas armadilhas; guarda sua alma na pureza e na justiça, através do temor a Ti; que ele(a) possa ser agradável a Ti em toda ação e palavra e que seja um filho(a) e herdeiro(a) de Teu Reino Celeste.

Porque Tu és o nosso Deus, o Deus de misericórdia e salvação e a Ti damos a glória, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

O sacerdote unge em forma de cruz com o Santo Miron: testa, olhos, nariz, boca, ouvidos, peito, costa, mãos e pés do recém-batizado, dizendo a cada unção:

 

Sacerdote: O selo da dádiva do Espírito Santo.

Padrinhos: Amém.

Coro: Amém.

 

 

Procissão.

 

O Sacerdote incensando, leva os padrinhos portanto velas acesas com a criança em procissão e dão três voltas em torno da pia batismal, enquanto canta-se:

 

Coro: Tu que foste batizado em Cristo, de Cristo te revestiste. Aleluia. (três vezes)

 

A procissão em circulo significa a inseparável união e igualdade do(a) recém-batizado(a) com Cristo.

 

 

Epístola.

 

Diácono: Estejamos atentos!

Sacerdote: Paz a todos.

Coro: E ao teu espírito.

Diácono: Sabedoria!

Leitor (prokimenon 3 tom): O Senhor é minha luz e minha salvação: a quem temerei? O Senhor é a fortaleza da minha vida: a quem temerei?

Diácono: Sabedoria!

Leitor: Leitura da epístola do Apóstolo São Paulo aos romanos (6:3-11).

Diácono: Estejamos atentos!

Leitor: Irmãos: "Vós não sabeis que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na Sua morte? Nós fomos, pois, sepultados com Ele, a fim de morrer (para o pecado) pelo batismo, para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim nós vivamos uma vida nova. Porque, se nos tornarmos uma só planta com Cristo, por uma morte semelhante a Dele, o mesmo sucederá por uma ressurreição semelhante, sabendo nós que o nosso homem velho foi crucificado juntamente com Ele, a fim de que seja destruído o corpo do pecado, para que não sirvamos jamais ao pecado. De fato, aquele que morreu, justificado está no pecado. E, se morrermos com Cristo, creiamos que viveremos também juntamente com Cristo, sabendo que Cristo, ressuscitado dos mortos, não morre mais, nem a morte terá sobre Ele mais domínio. Porque, enquanto a Ele morrer pelo pecado, morreu uma só vez; mas, quanto a viver, vive (uma vida imortal) para (glória de) Deus. Assim também vós considerai-vos como estando mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em nosso Senhor Jesus Cristo."

Sacerdote: Paz a ti.

Leitor: E ao teu espírito.

Diácono: Sabedoria!

Leitor: Aleluia.

Coro: Aleluia! Aleluia! Aleluia!

 

 

Evangelho.

 

Diácono: Abençoa, Senhor, o anunciante do Evangelho do Apóstolo e Evangelista (nome ).

Coro: Aleluia, Aleluia, Aleluia.

Sacerdote: A paz esteja com todos vós.

Coro: E ao teu espírito.

Sacerdote: Leitura do Santo Evangelho, segundo o Evangelista São Mateus (28:16-20).

Coro: Glória a Ti, Senhor, glória a Ti.

Diácono: Estejamos atentos!

Sacerdote: Paz a ti.

Coro: Glória a Ti, Senhor, glória a Ti.

Sacerdote: "Os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha indicado. Quando O viram, adoraram-No; alguns, porém, ainda duvidaram. Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Foi-me dado todo o poder no céu e na terra. Ide, pois, ensinai todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinando-as a observar todas as coisas que vos mandei. Eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo."

Coro: Glória a Ti, Senhor, glória a Ti.

 

 

Litania.

 

Diácono: Tem piedade de nós, ó Deus, segundo a Tua imensa misericórdia, nós Te suplicamos, ouve-nos e tem piedade de nós.

Coro: Senhor, tem piedade. (três vezes)

Diácono: Oremos ainda pelo episcopado ortodoxo da Igreja Russa e pelo nosso revmo. senhor Metropolita Vitali, primaz da Igreja Russa no exílio, pelo revmo. Arcebispo Laurus de Siracusa e Ssma. Trindade, pelo nosso reverendo senhor Bispo Alexandre, pelo venerável presbitério e diaconato em Cristo, por todo o Clero e por todos nossos irmãos.

Coro: Senhor, tem piedade. (três vezes)

Diácono: Oremos ainda pela misericórdia, vida, paz, saúde e salvação do(a) servo(a) de Deus, (nome), recém-batizado(a); de seus padrinhos, pais, de todos aqui presente e pelo perdão e pela remissão de seus pecados.

Coro: Senhor, tem piedade. (três vezes)

Sacerdote: Pois Tu és um Deus bom e misericordioso, e nós Te damos a glória, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

Tu, que através do santo batismo, deste a Teu servo o perdão dos pecados e a vida de renovação: Tu, o mesmo Senhor e Soberano, que sempre afavelmente iluminaste seu coração com a luz da Tua proteção, mantem o escudo de sua fé inatingível pelo inimigo. Conserva a veste da insubordinação que Tu o(a) cobriste, pura, sem dano, preservada, imaculada pela Tua graça e o selo do Espírito, mostrando piedade a ele(a) e a nós através da grandeza de Tua misericórdia.

Pois abençoado e glorificado é o Honradíssimo e Majestoso Nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

Sacerdote: Paz a todos!

Coro: E ao teu espírito!

Diácono: Inclinemos nossas cabeças diante do Senhor!

Coro: A ti, ó Senhor!

 

Ele(a) que uniu-se a Ti, ó Cristo nosso Deus, também curvou-se conosco a Ti. Preserva-o(a) sempre como um(a) guerreiro(a) invencível a todos os ataques que atingí-lo(a) e a nós, e faze-nos sempre vitoriosos até o final, através de Tua insubordinável coroa.

Pois Tu mostraste misericórdia salvando-nos, e a ti damos glória, juntamente com Teu Pai Eterno e Teu Santíssimo e Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

O sacerdote borrifa com água benta o(a) recém-batizado(a), dizendo:

 

Sacerdote: Foste justificado(a), iluminado(a), santificado(a) e purificado(a) em nome de nosso Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito de nosso Deus.

Foste batizado(a), iluminado(a), crismado(a), santificado(a) e purificado(a) em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

Coro: Amém.

Sacerdote: Pelas orações dos nossos Santos Padres, ó Senhor Jesus Cristo nosso Deus, tem piedade de nós e salva-nos.

Coro: Amém.

 

 

Oração para a tonsura (corte do cabelo).

 

Diácono: Oremos ao Senhor.

Coro: Senhor, tem piedade.

Sacerdote: Ó Soberano, Senhor nosso Deus, que honraste o homem com a Tua própria imagem e o proveste de uma alma racional e de um corpo nobre (para que o corpo sirva a alma racional): pois Tu colocaste a cabeça sobre o corpo e dotaste-a dos mais importantes sentidos, sem que haja interferência de uns sobre os outros e cobriste a cabeça com cabelos, a fim de não ser molestada pelas mudanças do clima e dispuseste os membros no corpo da melhor forma, de maneira que o homem possa com eles agradecer a Ti, o Grande Artífice.

Tu, o mesmo Soberano, através de Teu vaso escolhido, o apóstolo Paulo, deste-nos um mandamento que deveríamos cumprir em todas as coisas para a Tua glória: abençoa agora este Teu(Tua) servo(a), (nome), que vem fazer a Ti, a primeira oferenda do corte dos cabelos de sua cabeça, bem como a seus padrinhos e concede-lhes que eles possam se instruírem em Tua Lei e fazer tudo o que é agradável a Ti.

Porque Tu és um Deus Misericordioso, que ama a humanidade, e a Ti damos toda a glória, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

Sacerdote: Senhor nosso Deus, pela água desta pia batismal santificaste em Tua bondade os que crêem em Ti e que Tua bênção se estenda sobre a cabeça desta criança. Como abençoaste o Rei Davi através do Profeta Samuel, abençoa também a cabeça de Teu(Tua) servo(a), (nome), pela imposição de minha mão e visita-o(a) com Teu Espírito Santo, a fim de que avançado em idade e alcançado a velhice, Te glorifique, e veja o bem todos os dias de sua vida.

Porque a Ti damos toda a glória, honra e adoração, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

O sacerdote corta o cabelo do(a) recém-batizado(a) em forma de cruz, dizendo:

 

Sacerdote: O cabelo do(a) servo(a) de Deus, (nome), é tosado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Coro: Amém.

 

O corte do cabelo significa a submissão do homem a Deus.

 

 

Oração Final.

 

Sacerdote: Glória a Ti, ó Cristo nosso Deus e nossa esperança, glória a Ti.

Coro: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos. Amém. Senhor, tem piedade; Senhor, tem piedade; Senhor, tem piedade. Pai, abençoai-nos.

Sacerdote: Ó Cristo nosso Deus verdadeiro, que foste batizado por São João no Jordão, pelas intercessões da Tua Puríssima Mãe e de todos os Santos, tem piedade de nós e salva-nos, pois Tu és bom e ama a humanidade.

Coro: Amém.

 

 

Parte 4. Orações do quadragésimo dia.

No quadragésimo dia a criança é trazida ao Templo para ser apresentada, isto é, fazer uma primeira apresentação de sua iniciação na igreja. O sacerdote faz o Sinal da Cruz sobre a criança, e, tocando a sua cabeça, reza as seguintes orações:

 

Ó Senhor Deus Onipotente, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que por Tua palavra criaste todos os seres racionais e irracionais e trouxeste tudo do nada para a existência, nós oramos e suplicamos a Ti: por Tua vontade salvaste esta Tua serva (nome da mãe). Purifica-a de todo pecado e de toda a impureza e vindo ela agora para a Tua Santa Igreja, torna-a digna de participar, sem condenação, dos Teus Santos Mistérios.

Abençoe a criança, que dela nasceu, faze-a crescer, santifica-a, esclarece-a, torna-a pura e dota-a de bom entendimento. Porque Tu trouxeste-a à existência e mostraste-lhe a luz física; que seja ela digna no devido tempo, da luz espiritual e que ela possa ser colocada entre o Teu rebanho escolhido, através do Teu Filho Unigênito, com o qual és bendito, juntamente com o Teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

Ó Senhor Nosso Deus, que foste trazido no quadragésimo dia como uma criança para o Templo, segundo a Lei, por Maria, a noiva não desposada, a Tua Santa Mãe, e levado nos braços de Simão o Justo, Tu mesmo ó Mestre todo-poderoso, abençoa esta criança trazida à Tua presença, para todas a ações boas e a Ti agradáveis e que ela possa apresentar-se a Ti, o Criador de todos os homens e faça-a crescer no agrado a Ti, expulsando dela para longe, toda força contrária, através do selo do Sinal da Tua Cruz, pois Tu és, Senhor, o protetor das crianças; e recebendo o Santo Batismo (ou e tendo recebido o Santo Batismo) receberá também parte como um dos eleitos do Teu reino e seja preservado conosco, através da graça da Santa e Consubstancial e Indivisível Trindade.

Porque a Ti é dada toda glória, ação de graças e adoração, juntamente com Teu Pai Eterno e Teu Santíssimo, Bom e Vivificante Espírito, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

Coro: Amém.

 

Suplemento

 

 

Algumas observações sobre o batismo.

 

Sobre a imersão em água.

 

O batismo deverá ser feito através da imersão em água. A palavra grega "baptizo" significa "imersão." O batismo de um eunuco por Filipe é descrito nos Atos dos Apóstolos: "Mandou para o coche, e desceram os dois à água, Filipe e o eunuco, e o batizou. Tendo saído da água, o Espírito Santo arrebatou Filipe, e o eunuco não o viu mais..." (At 8:38-39). A tripla imersão em água é acompanhada pelas palavras: "O servo de Deus é batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo," de acordo com o mandamento do Próprio Cristo (Mt 28:19). Esta era a maneira do batismo, feita na Igreja antiga, como é citada na epístola do apóstolo Barnabé. Tertuliano observa isto claramente através das palavras prescritas por Cristo: "... a maneira do batismo foi determinada." Ele testemunha ao batizado, a tripla imersão, assim como a necessidade da renúncia do satanás e seus anjos e depois disso, confessar a fé.

 

 

Batismo da criança.

 

O batismo de uma criança reflete o desejo ardente dos pais, de terem seu filho tomando parte da benção de Cristo assim que possível. Estando batizada, a criança começa a evoluir no ambiente da igreja. Para ela, a igreja é sua casa familiar.

A prática do batismo infantil é bastante antiga, datada do tempo dos apóstolos e começou nas palavras de Cristo: "... Deixai os meninos, e não os impeçais de vir a mim, porque deles é o Reino dos Céus" (Mt 19:14).

Os escritos dos apóstolos contém muitos exemplos de famílias inteiras que se tornaram cristãs, por exemplo: a casa do carcereiro, a casa de Estéfano (cf. 1Cor 1:16). Em nenhum lugar é mencionado que as crianças foram excluídas. Em seus fervorosos Sermões, os Santos Padres da Igreja insistiam no batismo das crianças. São Gregório o Teólogo dizia às mães cristãs: "Você tem uma criança? Não permita-lhe que a corrupção seja fortalecida através do tempo; deixe que a criança seja abençoada e consagrada pelo Espírito Santo desde sua infância. Por causa de sua fraca natureza você tem medo do selo... O fraco-coração de mãe de pouca fé? Mas, Ana, mesmo antes de ter dado a luz, prometeu Samuel a Deus, e logo depois de seu nascimento, consagrou-o e trouxe-o para ser sacerdote, sem medo das fragilidades humanas, mas tendo fé em Deus."

Ao mesmo tempo, é necessário que, todos aqueles que trazem suas crianças para serem batizadas, compreendam a responsabilidade que eles assumiram para a educação da criança na fé e nos bons costumes cristãos. Nós encontramos essas diretrizes no livro, "A Hierarquia Eclesiástica," atribuída a São Dinis o Areopagita, considerado um nobre santo padre pela Igreja: "Nossos mestres acharam apropriado admitir o batismo da criança sob a santa condição, de que os pais naturais devem confiá-la a uma pessoa de muita fé, a qual instruiria profundamente a criança nos assuntos espirituais, e posteriormente preocupar-se-ia com ela, tal qual um pai enviado de cima e um guardião da salvação eterna do bebê. Esta é a promessa dessa pessoa (a qual incumbiu-se de guiar a criança para uma vida devota) a qual incita o sacerdote a pronunciar as palavras de renúncia (do demônio) e a sagrada confissão de fé."

 

 

Batismo irrenovável.

 

O décimo artigo do Credo de Nicéia declara: "Eu confesso UM só batismo para a remissão dos pecados." Isto significa que se o batismo é realizado corretamente através da tripla imersão em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ele, exatamente como um nascimento espiritual, não pode ser repetido. Este é o porquê, de a Igreja aceitar hereges em seus vincos pela crisma, e não pelo batismo; contanto que eles tenham sido corretamente batizados de acordo com a ordem da Bíblia e da Igreja tradicional. Os ortodoxos têm que renovar o mistério de seu batismo através do arrependimento, confissão e a participação nos Santos Sacramentos.

 

 

Sobre os padrinhos.

 

Os padrinhos da criança ou do adulto recém-batizados servem-lhes como pais espirituais. Eles são responsáveis por seu desenvolvimento espiritual. Eles oram por seus afilhados e auxiliam-nos com conselhos ou ajuda durante as fases difíceis de suas vidas. Em outras palavras, ser padrinho não é somente uma honra, mas é uma grande responsabilidade. Durante o batismo é comum haver dois padrinhos, um padrinho e uma madrinha, mesmo que um só, seja suficiente. Eles precisam ser ortodoxos devotos, assim como serem assíduos frequentadores da igreja, para que possam exercer uma boa influência em seus afilhados. Normalmente, eles fornecem uma cruz para ser usada pelo recém-batizado.

 

 

Nome do recém-batizado.

 

Durante o batismo, é dado à criança ou ao adulto, o nome de um santo pertencente à Igreja. Este santo torna-se o padroeiro celestial da pessoa. Todos deverão conhecer a vida de seu santo padroeiro, e tentar participar da Santa Comunhão no dia deste santo, ou no dia mais próximo da data de sua comemoração.

 

Go to the top

 

Missionary Leaflet # P23

Holy Protection Russian Orthodox Church

2049 Argyle Ave. Los Angeles, California 90068

Editor: Bishop Alexander (Mileant)

 

 

(bautismo_p.doc, 11-17-2001)